Área: Ciências Biológicas
Subárea: Biologia Geral
Estado: Rio Grande do Sul
Cidade: Porto Alegre
Escola: Colégio Santa Doroteia

Resumo: Como produtos de fácil manuseio, o aumento global do uso de plásticos tornou-se alarmante. Provenientes da decomposição parcial de macroplásticos, os microplásticos encontram-se em mais lugares do que antecipado, inclusive em água potável. Entretanto, mesmo com o alto índice de contato entre microplásticos e seres vivos, não há meios de remoção destes fragmentos sem o uso de tecnologias avançadas. Isto posto, o presente estudo teve seu objetivo focado na esquematização e na análise teórica e empírica de um novo sistema de remoção de microplásticos em água potável que não utilize metodologias complexas. Para isso, foram estudadas as propriedades da água e dos microplásticos e, posteriormente, foram consideradas suas formas físicas e químicas de descontaminação. Por fim, analisou-se o projeto desenvolvido por comparações entre soluções já existentes desenvolvidas por outros pesquisadores e a proposta neste estudo. Dessa forma, obteve-se um sistema de purificação de água, constituído por uma tubulação principal, onde o líquido fluirá. Contrário a ele, uma corrente de ar artificial possibilitará que os microplásticos fiquem presos em cerdas que servirão como barreiras de contaminação. Ademais, uma abertura na parte superior do mecanismo possibilitará a retirada destas partículas que se acumularam nas cerdas. Adicionalmente, as análises certificam que o sistema proposto é possível de ser produzido, acessível e inovador no modo de descontaminação. Em conclusão, quando estabelecida uma conexão entre o projeto desenvolvido e o conjunto de esforços visando uma solução viável, é possível afirmar que um progresso marcante quanto a esta problemática está sendo feito.


Foto dos autores do projeto
Foto do projeto